26.10.07

Sardines on carvon


Apesar de, definitivamente, ser um bom garfo, nada me dá mais prazer do que comer umas boas sardinhas assadas deitadas em cima duma fatia de pão, à mão. É a única maneira que encontro de saborear esse petisco: usar os dedos como pinça, e ir debicando um pedacinho de uma e um bocadinho do outro. Petisco sim, porque não trocava uma boa sardinhada pelo melhor manjar do mundo!
Sardinhada em que participe, não abdico do gozo antecipado de acender o lume, de estender as sardinhas sobre as brasas e de mansa e lentamente, deixar que repousem o tempo suficiente para que fiquem o mais deliciosas possível. E não me preocupa nada o cheiro implacável que fica impregnado, porque ele lá há-de sair.Sim, todo este processo tem truques! Mas também perdoa-se-lhes o mal que cheira pelo bem que nos sabe.
Abdico de outros pedaços que possam fazer parte do churrasco, e assim guardo o bandulho para aconchegar umas duas meias dúzias delas. Acompanhadas de uma fresca salada e de uma boa pinga de vinho, é tiro e queda.
Iniciada a ceifa pela altura dos Santos Populares deu-se por encerrado este ano o ciclo dessas patuscadas. Mas para o ano há mais e outro cardume cá virá parar. E na companhia do costume, será recuperado e sempre renovado o romantismo de outrora.
Há lá coisa melhor!
sardina pichardus - a sardinha previne alguns tipos de doenças cardiovasculares, por conter uma elevada quantidade de ácidos gordos essenciais do tipo ómega 3
monge

8 comentários:

avelaneiraflorida disse...

OK! Amigo monge,

isto até faz crescer a água na boca!!!! mesmo que seja a esta tardia hora...

de tudo o que é nomeado eu prefiro carapaus às sardinhas... mau feitio, o meu!!!!
O resto está perfeito!!!!
Com um bom vinho para brindar à AMIZADE!!!!
Bjks

Anónimo disse...

Olà amigo monge, essa sardinhas estão mesmo a rirem-se para mim. Como a dizer: deita-me a unha e toca realejo!
Podes crer que não hà nada melhor que uma boa sardinhada asssada. Esqueceste-te dos pimentitos e até das patatinhas a bailar na grelha! De todos os aquàticos presos nas redes das toalhas das nossas mesas, a sardinha é seguramente a mais popular. Sardinhada rima com festa, com amizade, com cheiro a fumo forte...coisas que ficam!...Haja bom vinho para acompanhar e sempre mar...

Aquele abraço, a navegar...
eremita

claudino disse...

gostei do pormenor das informação nutricional...

Já agora podias publicitar as caracteristicas reconfortantes do tinto!

monge e eremita disse...

Olá avelaneiraflorida

Independentemente do que se ponha na brasa,serve-nos o consolo de podermos partilhar esses momentos com outros e reconfortarmo-nos com a sua companhia, brindando sempre à amizade. Sempre.

bj

monge

monge e eremita disse...

Olá amigo eremita

Ia lá agora esquecer-me dos pimentos! Também marcam sempre presença obrigatória. Esses desgraçados (talvez hebráicos) são os mais sacrificados pelas chamas inquisitórias enquanto a fogueira não amansa. E como tão bem soubeste rimar meu amigo: festa,amizade ... alegria e boa companhia. À nossa!

abraço alegre

monge

monge e eremita disse...

Olá claudino

Não precisas que te fale de taninos nem sulfitos para te descrever as características de um vinho. Dependendo das zonas, apanha-se um pouco de tudo: daquele que constipa, até a outros de rachar uma fraga. As suas qualidades vão-se descobrindo à medida que o tempo passa e a conversa se enrola com os outros bebentes e mastigantes. Mas que é reconfortante,lá isso é.

abraço

monge

Li Malheiro disse...

Ol�. esta era a �ltima cena que eu contava encontrar aqui. Umas belas sardinhas, que para um transmontano n�o puxa carro�a, assim em destaque que at� faz salibar.
N�o h� nada melhor que uma sardinha assada, embora recorde as sardinhas fritas das vindimas e dos ser�es das pisas.
Bom apetite.
Abra�o com amizade.
Li Malheiro

monge e eremita disse...

Olá amigo Li

A sardinha sempre fez parte dos comeres dessas e doutras ceifas. E à volta das merendas sempre nos iam contanto que noutros tempos era "sardinha para três"! Se por ventura tivesse vindo nesses tempos, de certeza que teria augado.

Abraço transmontano

monge