29.10.07

S. Leonardo da Galafura
Diga-se que não foi a melhor altura do dia para colher este momento, mas o miradouro de S. Leonardo da Galafura é, definitivamente, o local que maior deslumbre nos oferece sobre a paisagem duriense. O rio, lá ao fundo, parece que nos corre aos pés, descendo serenamente encostado às margens que se alongam e que, de solcalco em socalco se empinam até ao cimo da imponência dos montes, sempre na companhia de serpenteantes vinhedos.

"Barco de quilha para o ar, que a natureza voltara a meio do vale", este miradouro tantas vezes visitado por Miguel Torga, outras tantas lhe serviu de inspiração para com pena, ai lavar a sua alma.


Absolutamente belo!

monge

6 comentários:

bacão disse...

Este é um local que bem conheço... isto apesar das minhas visitas se terem realizado mais de noite que de dia, mormente na freguesia de Galafura, local onde lecionei a uma turma do ensino nocturno por vezes até às 11 da noite.
De qualquer forma foi bom ter recordado este passagem por galafura, por onde andei há já mais de 12 anos.
A vida passa
as recordações ficam
algumas toldadas
quer pelo tempo
quer pelo "vinho".
Agradeço-te por me ajudar a recordar alguns dos passos que dei.
Forte abraço!

avelaneiraflorida disse...

Amigo Monge,

Se Torga o elegeu como espaço privilegiado ... é porque é mesmo a maior das MARAVILHAS!!!

"BRigados" pelo post!
Bjks

monge e eremita disse...

Olá bacão

e como a vida passa meu amigo!!
Valham-nas as recordações desses (bons) momentos e a vontade de tê-los vivido. Se o vinho envelhece com o tempo, que se toldem também alguns tempos à volta de um bom copo de vinho.

abraço

monge

monge e eremita disse...

Amiga avelaneira

Acredita que é mesmo um lugar de eleição, onde te sentes tão perto de tudo! Tão perto do rio que, ao passar, vai-te levando com ele ...tão perto do céu, com vontade de ganhar asas ... e tão perto das palavras de Torga, onde pareces que ganhas raízes.
Maravilhos, mesmo.

bj

monge

Anónimo disse...

Amigo monge,
essa paisagem é das mais belas figuras esculpidas nas carnes da terra mãe. Alto relevo de sentimentos profundos. O Douro! Majestade liquidada que governa montes e vales. Não se fica indiferente a tamanha beleza: Forte e suave. Pessoalmente gosto muito desse horizontes ondulantes, com picos de lirismo absoluto. Torga sentira-o melhor do que ninguém. Uma viagem fantàstica (por fazer)seria descer o Douro, desde Zamora até à Foz. Passando Por Miranda, Freixo, Foz-Côa, Régua e Porto. Com todas as paragens obrigatòrias (muitas)Um mês de aventura!
Uma altura fui visitar as barragens de Picote e Gimonde e fiquei muito impressionado. O Douro internacional também...
Enfim, tudo uma maravilha!

Obrigado amigo por esta viagem!
Abraço forte
eremita

monge e eremita disse...

Amigo eremita

Apesar de tão (dis)correntes águas, o Douro consegue prender-nos com toda a sua majestosa paisagem: desde as escarpas do magnífico Douro Internacional, até à foz dos seus generosos afluentes, sem esquecer os infinitos socalcos de onde brota o sangue dos homens, saído do peito que rebentou com as fragas de xisto. Julgo que ao longo do tempo, e já que falamos nisso, a vida tem-me proporcionado muitos encontros com o Douro. Já estive em Miranda, Moncorvo, Carrazeda, Pinhão e Régua. E de uma forma ou de outra; por iniciativa própria, por visitas de estudo, por passeios em grupo, já fiz bons percursos rio abaixo e rio acima. Mas havemos de lá voltar!! Saborear uns soberbos peixes grelhados na foz do Sabor ou na Nossa Senhora da Ribeira ... um verdadeiro regalo!
Boas navegações, meu amigo ...

Abraço transmontano e alto-duriense

monge