9.11.07

Mais vale tarde do que nunca!


Porque um desafio é sempre um desafio, e, não sendo homem de lhe virar as costas, finalmente, após prolongada convalescença gripal, é tempo de aceitar o repto lançado pela amiga avelaneiraflorida (cantares de amigo). Então, de acordo com as regras que se seguem, a resposta aqui vai.

1ª) Pegar um livro próximo (PRÓXIMO, não procure);
2ª) Abra-o na página 161;
3ª) Procurar a 5ª frase completa;
4ª) Postar essa frase em seu blog;
5ª) Não escolher a melhor frase nem o melhor livro;
6ª) Repassar para outros 5 blogs;
7ª) Divulgar o nome do livro e do autor.

"O tratado sobre a autoridade secular de Lutero separa claramente o reino de Deus e do mundo, onde a obediência deve ser absoluta mesmo que a ordem seja injusta".
Armelle Le Bras-Chopard, As Putas do Diabo. Circulo de Leitores, 2007.

Abstract:

"Entre os séculos XV e XVII, os processos de bruxaria conduzem à fogueira sobretudo mulheres, que representam oitenta por cento das condenações. Os tratados de demonologia, escritos por teólogos, inquisidores ou magistrados a partir de confissões obtidas sob tortura, descrevem as práticas a que as bruxas se entregam, desde a cópula com Satanás para obterem os seus poderes maléficos, ao roubo de crianças recém-nascidas a fim de serem comidas ou transformadas em unguentos ...
Porém, para a autora, a feminilidade e o perigo que ela representa foram o verdadeiro móbil desta perseguição. Um fenómeno mais político do que religioso, que levou à cosntrução no masculino do Estado moderno, e que desapareceria apenas quando as bruxas deixaram de ser necessárias, ou seja, quando as mulheres foram colocadas sob "tutela", o que as tornava menos perigosas.
Contudo, hoje, que as mulheres ocupam um lugar cada vez maior no espaço público, não se irá a assistir ao regresso das bruxas?"

Obs.: «As Putas do Diabo», era o nome com que Lutero designava as bruxas do seu tempo por terem supostamente relações sexuais com o demónio.

"A tolerância é sempre um indício de que um poder é visto como seguro; quando se sente em perigo, nasce sempre a pretensão de ser absoluto; nasce, portanto, a falsidade, o direito divino do seu privilégio, a inquisição."

M. Frisch

Nota: O título divulgado foi o segundo a ser "pescado", em virtude do primeiro, não ter as páginas necessárias ("História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar" - Luis Sepúlveda).

monge

4 comentários:

avelaneiraflorida disse...

Amigo Monge,

Boa recuperação, em primeiro lugar!!!!

Depois...bem, Luís Sepúlveda não tem 161 pps. mas é maravilhoso!
Este que foi indicado, já o tinha visto nos escaparates, mas como tenho uma pilha para esgotar...fui deixando ficar á espera.
Agora lá vou ter de o voltar a pôr na lista!!!

"BRigados" pela participação! Ler é sempre um DESAFIO!!!!
UM BOM FIM DE SEMANA!!!!!!

monge e eremita disse...

Olá avelaneiraflorida

Julgo que é realmente um título a ter em conta para aumentar o conhecimento sobre a temática da Inquisição. Quanto à "pilha", também por aqui não pára de aumentar, já pouco espaço deixando nas mesinhas cabeceiras para outros arrumos.
Quanto a Sepúlveda é descoberta recente, e, curiosamente, resultado de duas ofertas e uma compra. Li "Diário de um killer sentimental", tenho em mãos "História de uma gaivota ..." e em lista de espera "O velho que lia romances de amor". Todo o prazer que a leitura proporciona, permite suportar todo o tempo de espera que leva a ler novos livros.
O desafio é premanente: Boas leitura para ti também.

bj

monge

bacão disse...

A inquisição já foi..agora está presente a "INQUINAÇÃO".
Da podridão, falsidade, corrupção, mentira, engano, arrogância, fatos e gravatas... Anda tudo inquinado!
Venha a limpeza das "putas inquinadas". Socrates, Ministra da Educação, das Finanças e mais "colegas" são exemplo.
Se não tiveram já relações sexuais com o diabo, vão ter de certeza quando a hora do julgamento as "enrab??"

monge e eremita disse...

Então camarada

Bem falado!!(falta o assobio).
Esses é que são da verdadeira raça de um putedo diabólico. Quero crer que não há labareda que os consuma. Só empalando-os com uma vela de dinamite (rastilho curtinho!!) e fazê-los implodir, que nem cinzas restassem.
Temos que mudar as águas, já está tudo tão inquinado que já só vejo peixes cabeçudos!

abraço

monge