19.7.07

Anaísa

O Nascimento de Vénus - Botticelli

“ – Já nasceu a Anaísa”.
“ – Então não era só amanhã?!”
Não, a minha sobrinha, mortinha por nascer, decidiu antecipar a sua chegada e resolveu aparecer para nos agradar a todos. Absolutamente bom!
Pondo de parte todas as probabilidades que entram em cena na concepção, só nos apercebemos de todo o resultado quando vemos e temos nos braços manifestações de uma vida acabada de sair do confortável e corajoso útero materno. Senti no peito a alegria bater e de repente assumimos que é este o fluir da natureza humana e seriam precisos inúmeros adjectivos para qualificar tamanha maravilha.
A vida é um verdadeiro milagre. A vida sorriu!
Bem-vinda a este lugar estranho, Anaísa.
monge

4 comentários:

avelaneiraflorida disse...

Monge,

MUITOS PARABÉNS!!!!!!!

Sei o que é receber nos braços um ser pequenino, pouco maior do que as nossas mãos, mas do tamanho do nosso CORAÇÂO!

Tenho dois sobrinhos, maravilhosos, que nunca me deixam de recordar o primeiro dia em que os vi...
"BRIGADOS", VIDA!!!!!!!

monge e eremita disse...

Olá, avelaneiraflorida

É maravilhoso não é? Sentirmos ali vida a palpitar com vontade de estar presente, tentando absorver-nos com o olhar e estabelecendo logo laços com o primeiro aperto de um só dedo.

bj monge

Li Malheiro disse...

Olá.
Então já chegou a Anaísa! Há tanto esperada. Que a felicidade deste momento se propague pela vida, dela e vossa que a amais tanto.
Parabéns e um abraço para toda a família de Anaísa com amizade.
Li Malheiro

monge e eremita disse...

olá Li
pois foi, como é hábito d'entre os homens da casa, quando alguém nasce, é festa pela certa, os convidados escolhem e alguém paga ... lá teve o papá que se chegar à frente!! mas sempre com prazer e alegria e sempre com a Anaísa no pensamento.

aquele abraço monge