4.4.08

Quantos destes impiedosos lápis se terão gasto durante 48 odiosos anos da nossa história?




Monstruoso símbolo de uma época cujo largo expectro de actuação riscou notícias, fados, peças de teatro e livros, apagou anúncios publicitários, caricaturas e pinturas de parede.


Pela pouca informação disponível (estranho!) lá se conseguiu arranjar uma breve definição de censura:"sentido de controlar e impedir a liberdade de expressão; intimidação governamental ou popular, onde as pessoas têm receio de expressar ou mostrar apoio a certas opiniões, com medo de represálias pessoais e profissionais e até ostracismo".


Diz-se por ai, à boca pequena, que parece termos voltado ao tempo de antigamente. (Aqui cabia bem uma asneira, não?) Como é possível?! Será que permitiremos o regresso desses actos pidescos? O receio de tamanha desgraça, tão condicionante da cultura de um povo? Não. Lutaremos até ao fim!

3 comentários:

avelaneiraflorida disse...

Amigo Monge,

de facto, estranhos tempos estes em que vivemos!!!!!

Vozes amordaçadas, pensamentos proibidos, NUNCA MAIS!!!!
E transmitamos aos mais novos esse testemunho, SEMPRE!!!
PARA QUE SE NÂO ESQUEÇA!!!!

Blue Eyes disse...

Achas mesmo que se voltou a esses tempos?!Então não vês que a polícia foi às escolas perguntar quem se manisfestava e porquê porque o governo quer dar prémios de produtividade ao pessoal... ;)

Enfim sem comentários...a verdade é que às vezes vêm a lume notícias que assustam um bocado, mas também é verdade que hoje em dia a capacidade de reacção também é maior...hoje em dia não temos medo de reagir!

Boa semana amigo.****

bacão disse...

Julgo não haver dúvida que vivemos condicionados (quer muito quer pouco) pela PROPAGANDA constante a que estamos sujeitos!!! Vivemos num estado em que a mentira repetida incessantemente se torna verdade incontornável. Onde o poder centralizado da origem aos mais mesquinhos DITADORES que florescem como erva daninha, "matando" toda a sinceridade e honestidade que os rodeia. A política do "se não estás comigo, estás contra mim" é mais actual do que nunca.
Olho à minha volta e fico surpreendido, são poucos os que caminham a meu lado... tenho o MAU hábito de dizer o que penso mas nem sempre pensar no que digo!!! Ao menos sei em quem posso confiar!