2.6.07

Fundação

Nem a propósito!

Ao decidirmo-nos por um post inaugural para o blog, vei-nos à ideia fundá-lo com uma breve referência a D. Afonso Henriques (filho de Henrique) responsável pela fundação do nosso país.
Ainda sou do tempo em que, nos manuais escolares, a estátua do nosso primeiro monarca, da autoria de Soares dos Reis, surgia como uma imponente figura, de semblante austero com o elmo brônzeo e a sua enorme espada, despertando em nós emoções valentes e remetendo-nos para façanhas lendárias. Dizia-se entre a garotada, que a espada desse valoroso rei era tão pesada que seriam necessários cinco homens para conseguir erguê-la. E foi essa ideia que prevaleceu durante longo tempo, levando-nos a imaginar as inúmeras batalhas contra a moirama despedaçada por essa enorme espada.
No passado 18 de Maio, no destacável Ypsilon do Público, saiu uma entrevista com o antigo monge beneditino e historiador José Mattoso, responsável pela biografia de Afonso Henriques(1) que, apesar de matéria escassa e de inúmeros episódios lendários sobre este assunto, conseguiu elaborar um trabalho com alguma consistência histórica.
Segundo o historiador, algumas narrativas da época dão a ideia que o o nosso primeiro rei seria um homem colérico, violento mas astuto, persistente e ambicioso, além de um execelente militar, apesar de provavelmente analfabeto e que se manteve solteiro até aos 37 anos. Ao que parece, não seria aquele gigante com dez palmos (uns dois metros) conforme reza a crónica de Santa Cruz, mas sim meão de altura. Além disso, também seria coxo, em virtude do infortúnio de Badajoz, em que numa queda do cavalo, teria partido uma perna. No entanto, morreu aos 76 anos, relativamente velho para a época e no seu epitáfio é comparado a Alexandre, O grande.
Uma equipa antropológica dos nossos dias quer, ardentemente, abrir o seu túmulo para conseguir uma imagem do rosto e saber das suas maleitas. Pois que estejam lá quietinhos com a roupa, porque sejam quais forem os resultados, ninguém me consegue tirar da ideia a sua majestosa figura, tenha sido ele baixote, coxo e analfabeto. Poderia tê-lo sido, mas pelo menos demonstrou tê-los no sítio (o que vai rareando nos dias de hoje) e a ele devemos o projecto de Portugal como reino independente, sem prestar vassalagem a nenhum poder superior.
Ah, valente!




D. AFONSO (HENRIQUES) I - O CONQUISTADOR

n. 1109 m. 1185

Reinado: 1128-1185


(1) MATTOSO, José, D. Afonso Henriques, Círculo de Leitores, Colecção Reis de Portugal.
monge

1 comentário:

Atento disse...

Olá.
Saudamos o aparecimento deste espaço que prevejo de leituras e outras coisas relacionadas com letras.
Assim sendo comunicamos que damos destaque no nosso blog Viver Parambos, colocando um atalho para os nossos visitantes terem conhecimento.
Actualidade e sucesso são os nossos votos.
Saudações com amizade.
At Ento